sábado, 20 de março de 2010

por outras paisagens

Olá a todos!


Depois de alguns problemas técnicos por aqui, a solução mais fácil foi transferir o conteúdo deste blog para outro endereço. Espero que continuem me visitando sempre, mas agora em www.voodeideias.blogspot.com .
Espero vocês por lá!
Beijos a todos.
Eu, Roseana

domingo, 14 de março de 2010

Mulheres

Estou perdido, não posso viver um dia sem te ver, te sentir, acariciar sua pele morena e doce. Você partiu de minha vida, sem compreender que o que fiz foi por amor, um amor viciante. Mas por você o que sinto é 'amor-supremo-amor-eterno-amor', desses que cegam, que nos matam quando distante. E é isso que acontece agora, você partiu e pouco a pouco vou morrendo.

Tudo começou quando nasci, eram tantas as mulheres à minha volta que não podia ser diferente, me apaixonei por todas. Não tinha pai, minha mãe, moderna para a época, tinha uma namorada. O pai que me gerou é um amigo que estava morrendo e não tinha filhos, queria deixar um no mundo e pediu que minha mãe o ajudasse. E assim fui feito num laboratório, dizem que sou um dos primeiros.

Paula é minha mãe e Ana, também. Mas Ana faz as vezes de pai, ela é a figura masculina da casa. Minha mãe é doce, como a fruta mais delicada das árvores de nosso quintal, e Ana é sagaz para os negócios e nos faz uma família. Briga com todos pelos nossos direitos, não aceita que nos descriminem. E com o tempo, conquistou respeito e confiança em toda a Cidade. Hoje ela é presidente da associação de comércio da Cidade, todos vão consultá-la para pedir conselhos sobre seus negócios. Querem que ela seja Prefeita da Cidade, mas ela não quer, diz que já basta toda a trabalheira que tem.
Minha mãe Paula, por sua vez, cuida da casa, da escola que mantém no bairro e das mulheres que chegam por ali pedindo apoio porque foram espancadas por seus homens. Cresci entre tantas mulheres lindas e fortes. Praticamente fui o único homem por ali, lembro de poucos funcionários, mas não duravam, a maioria ia embora porque não aceitavam a relação das minha mães, ou porque não podiam receber ordens de mulheres, ou simplesmente porque não tinham respeito e não sabiam tratar as pessoas.
Lembro bem quando Amélia chegou com sua filha Sabrina. Amélia veio porque não agüentava mais o marido que bebia todos os dias,  ele não tinha emprego e Amélia trabalhava pra sustentar a casa, a filha e o marido. Ela disse que ele se sentia diminuído por isso, e bebia, quando voltava se algo não lhe agradasse ele espancava a mulher. Mas chegou o seu limite e por isso ela saiu de casa. Trabalharia dia e noite para ter direito a cama e comida para ela e a filha, ajudaria com as outras mulheres e crianças, só queria ser aceita ali na Comunidade. Era assim que as mulheres falavam, diziam que viviamos numa Comunidade.
Sabrina tinha, 7 anos, apenas 3 anos mais nova do que eu. Uma menina morena, cabelos cacheados, que viviam presos num volumoso rabo-de-cavalo. Usava sempre uns vestidos floridos feitos por sua mãe, por isso eu a chamava de menina-flor. Crescemos juntos e junto foi crescendo o meu amor por ela. Mas eu não compreendia.
Com o passar dos anos, fui apresentado ao amor carnal que as mulheres podiam me proporcionar o que foi minha perdição. Não vivia mais sem mulheres. Queria sentir o cheiro de todas, tocar suas partes, recitar poemas com a cabeça encostada naqueles deliciosos corpos. Cheiros, sabores, textura, cada uma tinha um e eu queria descobrir o de todas. Aquele era o meu segredo com as mulheres, nunca prometi casamento, mas sempre disse que poderia ser o amante eterno de todas elas. Não havia ciúme, elas sabiam que eu não era uma posse, era um bem a ser compartilhado. Era o melhor amante e confidente.

Sabrina sempre esteve ao meu lado, quando ela tinha 17 anos, começamos a namorar. No dia que ela completou 18 anos, eu ganhei de presente sua pureza. E me embriaguei. Aquele era o melhor cheiro, o melhor sabor. Sua pele era macia, tinha o toque das pétalas das flores que minha mãe tinha em casa. Tudo aquilo me seduziu, eu não entendia o que estava acontecendo, algo havia mudado em mim. Não podia viver sem as outras mulheres, era um vicio, mas não podia viver sem a Sabrina. Um dia sem seus beijos me arrebentava, me entristecia.
Continuei com meu segredo, nas tardes de trabalho arrumava uma forma de escapar e visitar minhas amigas. Mas um dia Sabrina descobriu e quando soube jurou nunca mais me olhar nos olhos, nunca mais me amar. Tentei explicar, queria que ela entendesse que tudo aquilo era amor, excessivo amor por mulheres, mas que elas nada significavam pra mim. Ela não me deu chances, partiu, sem dizer nada, foi para a casa de uma tia na Cidade vizinha, foi com a desculpa de que ia estudar e procurar um emprego.
Agora estou aqui, sofrendo. Da forma mais dura descobri que o que sinto pela Sabrina é diferente, ela sim é o meu vício. Sem ela não sei viver,  não tenho porque respirar, não tenho porque me alimentar. Minhas amigas me procuram, revezam ao meu lado tentando me agradar, já fizeram as propostas mais assanhadas, e recusei todas. Eu quero a Sabrina de volta, estou morrendo, morrendo por excesso de amor pelas mulheres.
por Roseana Franco

domingo, 7 de março de 2010

O vendedor de passados - eu recomendo!

Este é o primeiro livro  que li de José Eduardo Agualusa, famoso escritor Angolano.
A história é contada por Eulálio, uma osga, uma lagartixa que nasceu e viveu por toda a vida nesta mesma casa, seu entrosamento com o ambiente e seu dono é tanta que ela sente os rumores da construção e dos pensamentos do seu proprietário, escuta todas as conversas e é a maior testemunha de toda a reviravolta que aqui acontece.
Félix Ventura é o dono da casa, cenário de toda essa prosa. Ele tem um estranho ofício, vende passados para quem precisa de uma boa história para contar. Seus clientes são empresários, políticos entre outros, todos com futuro garantido, mas o desejo de esconder o passado, ou ansiosos por um passado digno.
Numa noite, durante o jantar, a campainha toca e um homem entra. Quer um passado, quer um nome.
Conversam e aos poucos, durante os dias seguintes Felix constrói essa história. Porém esse estranho homem não se satisfaz e vai atrás do passado criado, ele quer vivenciar, quer realmente sentir a nova vida. Mas tudo isso é pretexto do autor para fazer o encontro dos demais personagens do livro e no ápice do livro poder apresentar e concluir toda a trama que nos reserva. 
Não vou contar, quero que vocês leiam o livro. Uma leitura simples, rápida e gostosa. A cada capítulo  Agualusa tem uma surpresa para o leitor.

8o livro do ano - Sinto-me só

É um livro de memórias, de uma família que já esteve na mídia diversas vezes.
Karl Taro Greenfeld, autor deste livro, é o irmão de Noah Taro Greenfeld, um homem que hoje tem aproximadamente 40 anos e nasceu com déficit de desenvolvimento, conhecido como autismo. A história de Noah já foi contada diversas vezes pois seu pai, um escritor americano, Josh Greenfeld, já escreveu livros e crônicas sobre a vida com Noah e todas as dificuldades implícitas naquela convivência. Mas Karl foi além, ele conta no livro a visão do irmão mais velho.
O livro mostra a crueldade dos tratamentos, os preconceitos, as cobranças e culpas familiares. Durante a leitura nossos sentimentos vão se transformando conforme os fatos vão se desenrolando. Em alguns momentos tenho raiva da mãe de Karl que mortalmente culpada pela situação do filho, não percebe o que acaba fazendo com a família, principalmente com o filho mais velho. Sofro e me indigno com o tratamento dado ao Noah em algumas instituições. Me irrito com o pai que se isola para ganhar dinheiro e deixa que a relação familiar afunde.
Não tendo o amor e a dedicação dos pais, vendo que todos os esforços são focados na sobrevivência de Noah, Karl envereda por caminhos de pequenos furtos, drogas e fracasso, piorando a relação dele com os pais. O livro é uma catarse, onde Karl revê seus erros e da sua forma faz seu pedido de desculpa. Um livro intenso, sobre uma síndrome que ainda hoje não se sabe a causa e nem como se cura.

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Desafio do Manifesto

Um grupo de amigos com uma causa em comum, transformar o mundo através da literatura. Escrever e aumentar o número de leitores é a proposta inicial, levar as letras à todas as classes é o objetivo. Não há pretensões políticas, apenas ideológicas. São 10 amigos; Ana Cristina, Ângela, Bárbara, Celina, Halmie e Lucia. E, os rapazes; EduMatta, Pena, Thomaz e Marcel. Todos estudiosos das letras, amantes das palavras

Foi assim que surgiu o Manifesto. Mas ai veio a obsessão, o Pena, um dos membros do grupo resolveu testar a capacidade criativa dos seus alunos da oficina da crônica e pediu que fizessem um texto com até 4500 caracteres, tendo como tema, o Manifesto do grupo Silvestre.

- Que loucura! – penso e falo - Já estou horas tentando de alguma forma criar um laço com meus pensamentos e este bendito Manifesto Literário. Entendo a importância da literatura e dos livros, vou além, amo os livros e quando morrer quero ser enterrada com os meus volumes. Espero poder ler na próxima vida, porque nesta falta tempo.

Paro e volto a pensar no texto e falo:
- Mas que coisa, ele podia ter dado um tema mais tranqüilo, mais romântico e emocionante. Ou simplesmente mais simples. Ele nem me conhece pra saber como escrevo, que dirá para me dar um tema tão complexo.
- Com quem falo? Comigo e com o computador, sim também tenho graus de loucura não tratados por nenhum psicanalista.

Sigo pensando, agora só penso, não falo. São 10 pontos no Manifesto. Por que 10 pontos, será que há relação por serem 10 os membros no grupo Silvestre? Talvez sim, é mais fácil administrar, imagino o mais ditador dos membros falando:
- Vocês são os escolhidos para iniciar o Manifesto, portanto, aproveitem para pensar nos 10 pontos do lançamento do grupo. Cada um tem direito a um parecer, que deve ser em comum acordo com o pensar do grupo.

Percebo que o objetivo principal do manifesto é levar a cultura, pela veia literária, ao maior numero de pessoas possíveis. Eles acreditam que literatura não é passatempo, que para envolver o autor precisa seduzir o seu leitor pela palavra, pela poesia existente na história contada. E, para prender o leitor é vital escrever simples, escrever fácil, afinal eles querem conquistar público e não escrever para poucos.

Os poucos? Ah, podemos dizer que é a burguesia literária feita por alguns grupos-panelas, que acreditam que o perfeito são os jogos de linguagem, que no âmago da verdade nem eles mesmos conseguem entender o que querem dizer. Mas eles pertencem a grupos intelectuais, se dizem formadores de opinião. No fundo são ditadores de modelos, que vivem por frases de efeito, e passam horas pensando no que podem fazer  de diferente para se manter dentro do grupo.

Continuo pensando, e tenho a idéia de contar a história por trás do manifesto. Dizer como o grupo se conheceu, falar do romance escondido entre dois participantes. Mas penso que estarei expondo a vida daquelas pessoas, e se o romance é escondido é porque há algum motivo. E se eu mudar o nome dos personagens? E se montar uma grande ficção? Não, não adianta. O manifesto tem dono, e um deles vai ler este texto e vai reclamar o direito sobre o seu Manifesto.

Enquanto estou aqui, pensando nas histórias possíveis, as horas passaram e continuo aqui na poltrona escrevendo, escrevendo e sem nenhum sentido.

- Hei, mas não é isso que os jornalistas fazem no jornal? Já percebeu que muitas crônicas são bem sem pé nem cabeça? Acho que o jornalista foi jogado contra a parede para fazer um texto em 10 minutos para cobrir um buraco que havia na página. Pior é que ele recebe por isso.
- Poxa, eu escrevo tão bem, demoro bem mais do que os 10 minutos dos jornalistas, será que ninguém quer me dar uns bons trocados por umas palavras sem conexão também? Olha tô precisando comprar a fralda do filho, uns trocados vão ajudar bastante.
É, mas palavras sem conexão é exatamente o que o Grupo Silvestre não quer, eles querem o simples pelo simples, tenho que concordar, é complicado escrever simples, principalmente quando o louco do professor dá um tema tão complicado como este.

 Agora questiono:
- por que o grupo se encontrou na Livraria da Travessa do Leblon? Que coisa mais burguesa. Isso é coisa de elite contra elite.
- e, por que grupo Silvestre se ele não foi feito por médicos do hospital Silvestre?

por Roseana Franco



Você quer conhecer o manifesto que falo aqui? Então click aqui.

Amor de Carnaval

- Nunca mais vou amar, nunca mais! -  é o que eu não parava de me dizer. O fim da relação com Arnaldo foi um sofrimento enorme. Passei dias trancada em casa ouvindo músicas que me deixavam cada vez mais triste, não consigo esquecer o trecho da música que mais tocava, dizia assim:

“...perdido na alucinação do amor
acreditando na ilusão
canto pra esquecer a dor da vida
sei que o destino do amor
é sempre a despedida...”

Toca a campainha e escuto a algazarra no corredor. Corro para ver o que é, antes que o velho espanhol ranzinza, chegue na porta e comece a gritar sua ladainha de palavrões bascos e criar confusão, tudo o que eu não quero neste momento da minha vida.

São elas; Charlote, Elizalinda e Salomé. Três amigas inseparáveis. Elas entram falando ao mesmo tempo, não consigo entender o que dizem e fico mais zonza do que estava. Charlote entra limpando a casa e rapidamente Poe ordem no que eu havia destruído. Elizalinda me pega pelo braço e me joga no chuveiro, um banho frio, que dói até o mais escondido pensamento dentro de minh’alma acabada.  Salomé, por sua vez, coloca um sambinha no som, serve copos de cerveja estupidamente gelada e separa a roupa e maquiagem que vamos precisar.  Já tinham tudo planejado, mas não me diziam nada.

– Calma, hoje você vai se divertir! – é tudo o que me diziam.

Refeita de dias trancada saímos e fomos rumo a Laranjeiras, o bairro que mais tem bloco de carnaval no Rio de Janeiro. Já no primeiro, mais cerveja, pula, canta  e brinca. Não lembrava mais do sofrimento passado. Arnaldo? Nem sabia mais quem era.  O Sol queimava minha pele,  o suor era intenso, mas sentia como se estivesse nascendo. Aqueles dias de tristeza em casa, não podiam mais fazer parte da minha vida, elas estavam certas disso.
Fomos de bloco em bloco, não sabia mais onde estava, encontrava amigos de muitos anos, amigos de amigos e fomos caminhando e pulando, sambando ao som das marchinhas e musicas de um carnaval, quem nem pensava em viver.
Foi num destes blocos que meus olhos cruzaram com o dele. Não sei a cor, fiquei tensa e não conseguia distinguir. Aqueles olhos me inqueriam, tentavam desvendar tudo o que passava em meu coração e minha mente. Ele queria saber quem eu era, e veio, sorrateiro conversar. As perguntas iniciais de rotina, perguntava seguidamente, nem me dava tempo de responder e muito menos de perguntar. Até que consegui, perguntei seu nome.
- Ah, olá, sou Jean-Paul e estes são meus amigos: Pena, Barbara, EduMata e Valverde.
Ficamos conversando aos poucos fomos deixando o grupo seguir caminho sozinho enquanto nós ficávamos ali, contando palavras ao outro. Era uma conversa simples, ele contava histórias, não podia acreditar que ele tivesse vivido tanta coisa divertida. Disse que é italiano, tem netos e o que mais adora é fazer amigos. Sua esposa sempre criava caso, também italiana, tem o sangue quente e morre de ciúmes. Mas ele não liga, gosta de fazer amigos e vai continuar assim. A vida, pra ele é única e não podemos deixar um dia, um minuto sequer escapar por nossas mãos com tristezas é o que ele falava. Falou isso algumas vezes, até parecia que ele sabia dos meus últimos dias.  Já tinham se passado horas, nossos amigos voltaram, queriam ir para outro bloco, aquele já estava no fim.
Nessa hora notei que havia um outro rapaz no grupo, Jean-Paul, puxou ele pelo braço e me apresentou.
-Epamineuda, este é Paul-Jean, meu filho.
Suspirei, nossos olhos se encontraram, os dele eu sei a cor, são castanhos. Pouco mais alto que eu, cabeça raspada (bem como eu gosto) e fortinho, meu coração bateu forte, abri um sorriso.
- Oi. – dois beijinhos e fomos caminhando para o outro bloco, mas agora eu seguia conversando com Paul-Jean.
E, Jean Paul, o gaiato Italiano, ia fazendo estripulias na frente do grupo, não deixando ninguém triste ao seu lado.

por Roseana Franco

Lições de um pai

Meu pai morreu.
Nossa relação por toda a vida não foi a melhor, porém no final sua doença nos uniu e passei a cuidar dele. Levei nos médicos, dormi em hospital, comprei remédios, dei banho e troquei fralda. Enfim, tudo o que não precisei fazer para a minha mãe, que morreu como um anjo dormindo.
Nossa vida sempre foi complexa, meu pai saiu de casa quando eu tinha dois anos, largou a mim e minha mãe numa cidade nova, onde não conhecíamos nada. Mas minha mãe, orgulhosa como só, não quis retornar para o interior. Ficamos na cidade grande, aos poucos fomos desbravando os bairros vizinhos e conhecendo a cidade. Aprendemos a viver neste mundo agitado e cão. Minha mãe costurava, tirava da máquina o sustento da família. A noite, depois que me punha para dormir, sentava e estudava, precisava entender um pouco mais da vida, não podia ser passada pra trás tinha um filho pra cuidar e o faria muito bem.
Meu pai aparecia uma vez ou outra, me pegava em casa e me levava para o apartamento que ele morava. A cada dois anos ele trocava de apartamento. Comprava, reformava, morava por um tempo depois reclamava de tudo e vendia. Era sempre assim, vendia e comprava outro. Assim também eram com os carros. Cada vez aparecia com um carro diferente, sempre grande e bonito. Eu não entendia aquelas mundaças, aquele luxo e principalmente, por que ele não podia me ajudar, eu e minha mãe não estávamos bem, tinha dia que não tínhamos dinheiro pra comprar carne e comíamos arroz e salada. Feijão nunca tinha em casa, minha mãe falava que o feijão daqui não era bom. Bom era o feijão do interior, mulatinho, um feijão marrom com um tom avermelhado. Ela dizia que o feijão de lá cozinhava melhor.
Eu não entendia, e não teve como entender.
O tempo passou, cresci, me formei engenheiro e fui trabalhar numa grande corporação.  Me casei com a Manuela, pele clara, cabelos castanhos e cacheados, olhos grandes e atentos, mulher pequena, filha de espanhóis, reservada e absolutamente dedicada e carinhosa. A mulher que eu tinha pedi aos céus. Muitas vezes ficava olhando ela e minha mãe conversarem, parecia que eram mãe e filha, chegava a ter uma ponta de ciúmes, mas logo deixava de lado, afinal o que eu queria, uma guerra entre as mulheres da minha vida? Não, claro que não, nossa família estava formada, em breve pensaríamos em ter um filho.
Na empresa o meu salário era bom e fui galgando promoções, a cada 2 anos eu mudava de cargo e assumia mais responsabilidades. Tinha chegado o momento de dar conforto para minha família. Comprei um apartamento,  grande e bonito como era o sonho da minha mãe. O apartamento tinha 3 grandes quartos, dois salões e uma cozinha ampla como a da casa dos meus avós no interior. Minha mãe foi morar junto e pouco tempo depois Manuela nos deu um filho, Henrique. Depois vieram mais dois; Guilherme e Mariana.
Isso foi há quatro anos. Há dois anos meu pai ficou doente e, como filho único, tive que assumir esta responsabilidade. Foi uma complicação, contratei enfermeira, mas tinha que ficar ao lado dele. Não podia colocar ele morando no mesmo apartamento que minha mãe, por isso ficamos no apartamento dele e passei a dormir algumas noites por lá.  Numa dessas noites o telefone toca muito cedo, ainda madrugada, é Manuela dizendo que minha mãe sentiu dores no corpo a noite, conversaram um pouco mas logo ela voltou a dormir, mas ela não despertou do sono. Fui correndo pra casa. Foi um período complicado, difícil a adaptação da vida sem a minha mãe por perto. Mas tinha que seguir, meu pai continuava doente e eu precisava dar atenção a ele. Trazer ele para a nossa casa era o ideal, mas não sabia se ele agüentaria a mudança, sua saúde estava bem frágil, por isso decidi que ficaríamos como antes. Durou mais alguns meses, e ele faleceu. Difícil falar sobre este momento, me cobrei um sofrimento, uma saudade. Mas como sentir a morte de uma pessoa que não foi presente na minha vida e que apareceu no final precisando de ajuda? Senti, sim, mas uma sensação leve, como se um vizinho a quem se respeita tivesse partido. Mas ele não era meu vizinho, era o pai que nunca esteve presente.
Para amenizar sua ausência, ele me fez uma surpresa. Deixou um testamento transferindo todos os seus bens imediatamente para mim, indicava contas bancárias, imóveis desconhecidos, tudo ali, um dinheiro que eu nunca imaginei receber. Junto vinha uma carta, agradecendo a minha dedicação e pedindo desculpa por não ter sido o pai ideal. Pedia que eu não cometesse os mesmos erros que ele, que não perdesse um minuto da vida de meus filhos e família.
E foi assim, que ganhei e perdi um pai, em pouco mais de dois anos.
  por Roseana Franco

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

para rir! algumas piadas de Mineiro


NUDEZ MINEIRA
Dois cumpadre de Uberaba tavam bem sossegadim fumando seus respectivo cigarrim de paia e proseano.
Conversa vai, conversa vem, eis que a certa altura um deles pergunta pro outro:
- Cumpadre, u quê quiocê acha desse negóço de nudez?
No que o outro respondeu:
- Acho bão, sô!
O outro ficou assim, pensativo, meditativo...e perguntou de novo:
- Ocê acha bão purcaus diquê, cumpadre?
E o outro:
- Uai! É mió nudês do que nunosso, né mesmo?


SUTILEZA MINEIRA
O cumpadi, há muito tempo de olho na cumadi, aproveitô a ausência do cumpadi e resolveu fazer uma visitinha para ver se ela não carecia de arguma coisa....
Chegando lá, os dois meio sem jeito, não estavam acostumados a ficar a sós....falaram sobre o tempo....
- Será qui chove?
- Pois é......
Ficô um grande silêncio.....
Aí, o cumpadi se enche de corage e resorve quebrá o gelo:
- Cumadi.....qui qui ocê acha: trepemo ou tomemo um café?
- Ah, cumpadi...cê mi pegô sem pó.....


TREM CAIPIRA
Uma mulher estava esperando o trem na estação ferroviária de Varginha, quando sentiu uma vontade de ir urgentemente ao banheiro. Foi....
Quando voltou, o trem já tinha partido. Ela começou a chorar.
Nesse momento, chegou um mineiro, compadeceu-se dela e perguntou:
- Purcaus diquê qui a sinhora tá chorano?
- É que eu fui urinar e o trem partiu....
- Uai, dona! Por caus dissu num precisa chorá não, tenho certeza bissoluta qui a sinhora já nasceu com esse trem partido....


CUNVERSA DE MINEIRIM
- Cumpadi, muié é bicho estranho, num é mêsss???
- Num gosta di pescá....
- Num gosta di futebor...
- Num sabi contá piada...
- Num toma umas pinguinha....
- Óia, cumpadi....si num tivesse xoxota, eu nem cumprimentava.


MUIÉ MINEIRA
Os dois cumpadres pitavam o cigarrim de paia e prosiavam. Um deles pergunta:
- Ô cumpadre, cumé que chama mesmo aquela coisa que as muié tem (faz um sinal com as duas mãos), quentim, cabeludim, que a gente gosta, é vermeia e que come terra?
- Uai...quentim... vermeia..? A gente gosta? Uái sô, só pode ser xoxota. Mas eu num sabia que comia terra, sô!!
O outro dá uma pitada no cigarro:
- Pois come, cumpadre. Só di mim, cumeu treis fazenda.


UAI SÔ
Um mineirinho bom de cama, passando por New York, pega uma americana e parte para os finalmentes.
Durante a relação, a americana fica louca e começa a gritar:
- Once more, once more, once more......(tradução de once more: 'mais uma vez')
E o mineirinho responde desesperado:
- Beozonte, Beozonte, Beozonte.....


O EMPRESÁRIO E O MINEIRIM!
Num certo dia, um empresário viajava pelo interior de Minas.
Ao ver um peão tocando umas vacas, parou para lhe fazer algumas perguntas:
- Acha que você poderia me passar umas informações?
- Claro, sô!
- As vacas dão muito leite?
- Qual que o senhor quer saber: as maiáda ou as marrom?
- Pode ser as malhadas.
- Dá uns 12 litro por dia!
- E as marrons?
- Tamém uns 12 litro por dia!
O empresário pensou um pouco e logo tornou a perguntar:
- Elas comem o quê?
- Qual? As maiáda ou as marrom?
- Sei lá, pode ser as marrons!
- As marrom come pasto e sal.
- Hum! E as malhadas?
- Tamém come pasto e sal!
O empresário, sem conseguir esconder a irritação:
- Escuta aqui, meu amigo! Por quê toda vez que eu te pergunto alguma coisa sobre as vacas você me diz se quero saber das malhadas ou das marrons, sendo que é tudo a mesma resposta?
E o matuto responde:
- É que as maiáda são minha!
- E as marrons?
- Tamém!


INDO PARA A PESCARIA...
Os dois mineiros se encontram no ponto de ônibus em Cocalinho para uma pescaria.
- Então cumpade, tá animado? pergunta o primeiro.
- Eu tô, home!
- Ô cumpade, pro mode quê tá levano esses dois embornal?
- É que tô levano uma pingazinha, cumpade.
- Pinga, cumpade? Nóis num tinha acertado que num ia bebê mais?!
- Cumpade, é que pode aparece uma cobra e pica a gente. Aí nóis desinfeta com a pinga e toma uns gole que é pra mode num sinti a dô.
- É... e na outra sacola, o que qui tá levano?
- É a cobra, cumpade. Pode num tê lá...


A PESQUISADORA E O MINEIRIN
Uma pesquisadora do IBGE bate à porta de um sitiozinho perdido no interior de Minas.
- Essa terra dá mandioca?
- Não, senhora. - responde o roceiro.
- Dá batata?
- Também não, senhora!
- Dá feijão?
- Nunca deu!
- Arroz?
- De jeito nenhum!
- Milho?
- Nem brincando!
- Quer dizer que por aqui não adianta plantar nada?
- Ah! .... Se plantar é diferente

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

eu tenho um sono absurdo.
eu tenho um cansaço absurdo.
eu tenho uma preguiça absurda.

absurdo é o tamanho do silêncio interno
absurda é a cara de espanto que fazes quando lês um texto absurdo, como este.

felipe pena, fundamentalmente, meu professor

sábado, 20 de fevereiro de 2010

um grande autor, uma grande entrevista

ele ainda está aprendendo a escrever.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

dicas para ser feliz

A imagem peguei do blog Frases Ilustradas do Ceó, visitem é lindo, você ainda pode comprar uma camiseta com a ilustração escolhida. Já o texto abaixo, peguei do blog da Rosa Maria, que tem o dom de postar mensagens que sempre levantam o nosso astral. Pra mim é certo, se estou triste, dou uma passeada por lá e logo me sinto revigorada. Vejam as dicas dela:

1 - Elogie TRÊS pessoas por dia;
2 - Cumprimente as PESSOAS que encontrar pelo caminho;
3 - SORRIA. Não custa nada e não tem preço;
4 - Saiba PERDOAR a si e aos outros;
5 - Trate a todos como GOSTARIA DE SER TRATADO;
6 - Pratique a CARIDADE;
7 - Faça novos AMIGOS;
8 - Reconheça seus ERROS e valorize seus ACERTOS;
9 - Dê às pessoas uma SEGUNDA chance;
10 - Respeite a VIDA;
11 - Dê sempre o MELHOR DE SI em todos os momentos;
12 - Reze não só para pedir coisas, mas principalmente para AGRADECER.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

votação para a próxima leitura

Estou com uma boa pilha de livros e não sei qual escolho para ler primeiro.
Seguem as capas para vocês me ajudarem a escolher.
Aguardo votos até o dia 26/02, comentem.

como foi o seu carnaval?

O meu foi bem proveitoso.
Fiquei no Rio, longe de tumulto e sol. o máximo de sol que peguei foi na varanda de casa pela manhã cedinho. Aproveitei para relaxar em paz e ler alguns livros. Li 5 livros durante o carnaval, todos muito bons!!!! Vejam os comentários de cada um:

 
Este foi o primeiro livro, comecei a ler em Janeiro, mas reamente engrenei na sexta, já entrando no carnaval.  De todos os que li é o que tem a leitura mais pesada. Mas nem de longe, nem de perto é um livro cansativo. É um livro com um enredo muito bonito. Um homem, professor de línguas clássicas em Berna, na Suiça, depois de encontrar com uma mulher em profunda tristeza tem sua vida mudada por um forte instinto inexplicável. Ele abandona a sala de aula, vaga pela cida, entra numa livraria, vê um livro, numa lingua desconhecida. O livreiro traduz um trecho para ele que se encanta perdidamente. Compra dicionário, o livro e vai para casa se isolar e traduzir o livro. Nem bem inicia e o ato de loucura vai além, arruma sua mala e vai rumo a Portugal, tentar encontrar o autor do livro, que coincidentemente é da mesma origem da mulher amargurada que ele havia encontrado naquela manhã. Chegando em Portugal, sem conhecer ninguém, nem falar a língua nativa, ele vai se virando e percorrendo caminhos até chegar ao autor, ou o que ele achou que era o autor. Um livro profundo! Dentro do livro o autor acaba escrevendo outro livro, pois com os diversos trechos narrados da leitura podemos formar mais um livro.  Esse livro é uma grande viagem ao nosso sentir. Um livro que nos faz questionar.


 
O Vendedor de passados, um livro do Angolano José Eduardo Agualusa. Já tinha ouvido falar dele mas não tinha lido ainda nenhum livro dele. Quando vi este, comprei pela capa colorida e pelo enredo que conta a história de um homem que cria passados. Mas me surpreendi com o narrador, que é nada mais que uma osga (lagartixa). A história é muito bem estruturada, o final é muito interessante, ele faz um elo entre os personagens que surpreende. E a escrita é leve, um livro que dá um gostoso prazer de ler. Eu mais que recomendo!!!!
 
Eu já tinha lido Equador, deste mesmo autor português - Miguel Sousa Tavares. Lembro nitidamente que Equador foi um livro encantador, terminei apaixonada. Outro dia folheando um jornal, vi que algum desses famosos estava lendo o novo livro dele, No Teu Deserto e fiquei curiosa com o livro. Num momento qualquer em que fui a livraria para tomar um café e olhar algumas capas dei com esta, num cantinho da estante central. Na mesma hora peguei e comecei a ler, gostei e resolvi trazer para casa. Mas comecei a ler só agora no carnaval. A leitura é absolutamente fácil e rápida. Ele narra uma viagem pelo deserto acompanhado da Claudia que ele conheceu pouco antes de embarcarem e conta toda a trajetória e relação deles. é uma narrativa que me fez questionar até que ponto observo as pessoas ao meu lado, até que ponto sinto as pessoas ao meu lado. Lindo, delicado!
Veja uns poucos trechos:
"(No fim, tu morres. No fim do livro, tu morres. Assim mesmo, como se morre nos romances: sem aviso, sem razão a benefício apenas da história que se quis contar. Assim, tu morres e eu conto. E ficamos de contas saldadas.)"
"Mas, desta viagem, eu lembro-me exactamente quando foi e que idade tinha: tinha trinta e seis anos, e lembro-me por isso mesmo, porque foi o ano da minha vida em que me senti mais novo. Nem aos vinte e cinco, nem aos vinte e um, nem aos dezoito. Foi aos trinta e seis anos de idade que eu me senti eternamente jovem, quase imortal ou, mais arrepiante ainda, indiferente à própria ideia de morte. E, se eu era jovem, tu, a meus olhos, eras a própria juventude. Tudo em ti, não apenas os teus absurdos vinte e um anos: a própria maneira um pouco estouvada de caminhares, como se ainda não tivesses aprendido bem a andar, a maneira de pararares, virar a cabeça e sorrir por cima do ombro, os teus ares de menina pequenina que precisa de ser embalada e que alternavas com vãs tentativas de parecer mulher adulta e sabida, a tua alegria rodeada de crianças no chão de areia de uma aldeia perdida numa pista do deserto, o teu tom sério rodeada de adultos, à noite junto a uma fogueira, fingindo, como os adultos, procurar naquele lençol de estrelas que quase nos tocavam de tão próximas a resposta que lá devia estar sobre o destino do universo e o nosso."
"Aprendi que é preciso dar tempo aos outros para olharem."
"A coisa mais difícil e mais bonita de partilhar entre duas pessoas é o silêncio."


Este livro surgiu da oficina de contos que fiz semana passada, lembram que postei sobre isso? Pois bem, a oficina foi com a autora deste livro, Cintia Moscovich. Falaram tanto do livro que fiquei curiosa em conhecer este trabalho dela. Foi impressionante, nas primeiras linhas eu já me senti como num quarto fazendo uma terapia de choque de alta qualidade. O livro falou comigo! Em alguns momentos via minha mãe, em outros minha sogra, minhas avós. Ia lendo e sentindo a vontade de escrever, escrever pelo simples fato de colcoar no papel tudo o que ficou da minha infância e relação familiar. Senti uma vontade enorme de pegar a autora, sentar na varanda, na rede azul e conversar horas a fio sobre famílias, quilos a mais, dores e pesares, mas também a alegria da comida. Bom, acho que vou escrever, quem sabe emagreço alguns quilos? O livro, sim eu indico! Não é auto-ajuda, não é história real da autora, é um romance atual, que fala do que mais aflige toda mulher, os quilos a mais.


 
Estava na Livraria Prefácio, eu e minhas idas à livraria para tomar café, e vi este livro com esta capa ilustrada. Dei uma folheada e gostei da diagramação, ai pensei comigo: - Se a capa é interessante, a diagramação também o conteúdo deve ser bom. E não deu outra. O Leandro Narloch depois de ler diversos livros históricos resolveu descontruir nossos ícones e recontar algumas histórias que  aprendemos nas escolas.
Por exemplo, você sabia que Zumbi tinha escravos? Que haviam negros e negras muito ricos, com  mais forntunas e escravos que alguns brancos?
E que, quem mais matou os índios foram os próprios índios? 
E Aleijadinho, não há documentos que comprovem a sua existência como um artesão com defeitos físicos. Ao que tudo indica ele foi um personagem literário, que se transformou num ícone brasileiro.
Já Santos Dumont,  não inventou nem o avião nem o relógio.
Livro muito interessante!

domingo, 7 de fevereiro de 2010

novo curso

o curso da vez é oficina da Cronica com Felipe Pena, conheçam um pouco mais dele aqui.

E para saber de outros cursos basta ir no site da Estação da Letras, tenho certeza que vão gostar dos cursos.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

e a Mandarina caminha...

quando você tem dúvida se o caminho que está tomando é o correto, o que faz?
quando você tem dúvida se estão sendo honesto com você, o que faz?

bom, eu escolhi um caminho de apostar.
estou apostando que as pessoas são honestas e que o caminho que me sinto mais confortável é o melhor.
pra dar errado, só pela falta de ética das pessoas envolvidas, ao menos eu poderei me sentir em paz com a minha consciência, afinal nem tudo é dinheiro.

torçam por mim, em breve darei mais notícias de como anda a Mandarina!

domingo, 31 de janeiro de 2010

ainda lendo Trem Noturno para Lisboa, mas com diversas aquisições para este ano.
nossa como sou lenta pra ler, vocês também são assim?!
queria não fazer mais nada, só ler e escrever.

Estação das Letras x Cintia Moscovich

olá pessoas,
sumi por uma semana por um motivo mais que justo.
além da correria diária de trabalho, clientes confusos e loucos me embrenhei dentro de um curso de contos. num ato de total impulso, entrei na internet, procurei um curso e me inscrevi. queria um curso para já. e foi maravilhoso!

a oficina ministrada pela escritora e contista gaúcha, Cintia Moscovich, foi sublime! 3 dias com alguma teoria, prática e muita troca e risada. a vontade é que o curso não acabasse nunca mais.

enfim, nem tudo o que é bom dura muito.

para conhecerem um pouco mais da Cintia, vejam a sua biografia aqui.
e aqui, vocês podem ver os livros publicados por ela.

já aqui, podem acessar os próximos cursos da Estação das Letras, vale conhecer!

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

mesma pergunta, outro jogo



O CARRO conta o que este momento traz:

O momento é mudança e possível vitória. Você tomou a decisão, agora é seguir em frente com determinação.
Você pode enfrentar oposição, forças contrárias que você precisa aprender a lidar, pois se não souber controlar pode gerar agressividade. Cuide-se!




O IMPERADOR traduz seu desafio atual:

O ponto aqui é colocar em prática todos os seus planos, sem deixar de lado a ética e a moral. Você deve entender que tudo deve ser feito em base sólida e firme, mas sem excessos de autoridade e rigidez.
É hora de enfrentar o grande desafio de ser você mesmo.
Seja sincero consigo, dê um passo de cada vez.




O EREMITA indica os obstáculos a superar:

Exílio voluntário nesta fase, pode ajudar a aceitar as limitações que a vida está impondo. Procure cultivar a paciência e observação, e então terá a oportunidade de fortalecer sua personalidade.




O MUNDO diz até onde você pode chegar:

Parabéns!! Você vai conseguir chegar até o fim. Objetivo alcançado e trabalho terminado. Aproveite para curtir esta boa sensação.

uma pergunta, um jogo, uma resposta

 A TEMPERANÇA


Este arcano sugere que você está enfrentando uma situação de difícil solução imediata. O melhor a fazer é se ocupar de outros afazeres. Também desvenda a necessidade da reconciliação e um momento de adaptação com o meio ambiente.

Reflexão: "Ser perseverante é a melhor forma para se obter o sucesso".



O JULGAMENTO


Este arcano sugere que haverá grandes mudanças num futuro próximo. Calma, não fique nervoso, traduz progresso na vida, desenvolvimento por outros caminhos. O que se deve fazer? Apenas continue com seus projetos que o próprio tempo indicará o novo rumo.

Reflexão: "Aceitar o destino é aceitar o futuro, renegá-lo é viver no passado".



O LOUCO


Este arcano desvenda que não há obstáculos; no entanto existe a falta planejamento e objetividade. Em todo caso não indica nenhum retrocesso ou um problema maior que não pudesse resolver. No fim, tudo ficará em ordem.

Reflexão: “Nada fazendo, tudo acontece"

domingo, 24 de janeiro de 2010

sábado, 23 de janeiro de 2010

selo novo

e o desafio continua, em 2009, fiquei longe do objetivo final de 50 livros, mas foi interessante por contar e anotar os livros lidos.
que em 2010, o ano seja bem proveitoso.

não me canso de ver e rir

a simples diversão de uma criança, alegria contagiante!


olhem isso!!!!!




e isso!

"Há pensamentos que são orações. Há momentos nos quais, seja qual for a posição do corpo, a alma está de joelhos."
"Sede como os pássaros que, ao pousarem um instante sobre ramos muito leves, sentem-nos ceder, mas cantam! Eles sabem que possuem asas."
 Victor Hugo
que tal? Nuria Fergó cantando uma versão de Aquarela.

bodas em Triana, a noiva mais famosa da internet

uma noiva resolveu fazer uma linda homenagem ao seu futuro marido, esse foi o início da estória. no final virou a noiva mais conhecida da internet. linda demonstração de amor.
veja o vídeo, aqui:



aqui, você pode conhecer um pouco mais da estória.

já aqui, você pode ler uma entrevista com a noiva.

há ainda uma entrevista com os noivos num programa de canal local, e para surpresa da noiva Vanesa a autora Nuria Fergó se apresenta por vídeo ao vivo, veja:

"A vida do empreeendedor é um constante aprendizado. Ele tem que adquirir conhecimentos em ritmo mais veloz que o das mudanças. E não há ninguém que possa lhe ensinar tudo isso. Ele é obrigado a aprender sozinho, rapidamente, e a colocar sua empresa em condições de vanguarda, à frente das demais. O maior diferencial de uma empresa emergente é o empreendedor, com a equipe que ele forma em torno de si. É, também, seu maior capital. Ora, por que um elevado conceito de si? É muito difícil alguém que não acredita em si mesmo ter o impulso de mudar o mundo, de criar algo novo, de ser diferente dos demais. São necessárias autoconfiança e elevada auto-estima. Penso que todos nós temos a capacidade de inovar, de criar uma empresa. Mas muitas vezes não estamos preparados para isso."
 trecho de O segredo de Luíza - Fernando Dolabela Editora Sextante.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

dizem que depois dos 30 deixamos de ser regidos pelo nosso signo natal, o de nascimento, e passamos a ser governados pelo signo ascendente.
se assim for deixei de ser áries e virei tourina?
bom, não sei, acho que virei uma boa mistura de tudo isso e um pouco mais. já faz 7 anos que virei para o caminho dos 30, e acho que perdi o prumo em algum lugar....

quem sou eu? cade a pessoa decidida e otimista que antes abrigava este corpo?
com os anos, fui apagando a fonte de energia e hoje nada sou que um ser incompleto caminhando de um lado para o outro sem conseguir dominar o mundo e o chão que gira em baixo de meus pés.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

um pequeno trecho

"- Você é tão chata
- O quê?
- Eu disse que você é chata.
Veja só. Você está triste.
De novo.
Você é como um enorme buraco negro.
- Desculpe-me, mas...
- Fefè dizia: “arrepender-se é perda de tempo – o passado a enfraquece”
- Acabo de chegar. Eu mal entrei.
- Como você será feliz se continuar tristonha?
Ouça:
Quando eu era uma garotinha eu ficava procurando por joaninhas.
Finalmente, eu desistia e adormecia na grama.
Quando eu acordava, elas estavam em cima de mim.
E então?
Então vá trabalhar na sua casa e esqueça disso.
Eu disse para ir.
- Eu estou indo.


Trabalhe na casa e esqueça disso. Nossa, por que eu não pensei nisso? Há um momento na vida de todo empreiteiro quando ele não quer mais conselhos úteis. Há um momento em que você não que mais homens encarando-a, pensando só Deus sabe o quê, sussurrando coisas em polonês que felizmente você não entende. Você agüenta certas coisas antes de chegar uma hora em que você precisa se afastar."

 adoro este filme, vez ou outra pego para rever. amo o cenário, me divirto com o filme, um belo romance para relaxar.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

um dia da Mandarina é assim.


6:30h acordo, já atrasada, não posso ir pra academia. ahhh, confesso ainda estou em clima de férias e festas, não queria mesmo malhar, não esta semana.

7:30h, banho e café tomado, sento à frente do computador e começo a ver os e-mails de ontem que não tive tempo de ver.

9:00h, levanto, tenho que terminar de me arrumar pra sair, já estou atrasada.
é sempre nessa hora que o telefone toca, muitas vezes tocam os 3, juntos ou sequenciados... o chato é que não tenho ninguém pra atender pra mim, tenho que fazer isso.
consigo sair de casa às 10:00h, penso nos destinos e decido que posso vir almoçar em casa.

1o - gráfica colorset, em são cristóvão, pego as amostras de capas da revista do Coppe.

2o - como a minha querida do Coppe não pode trabalhar hoje, me livro de ir na Ilha do Governador, mas o trabalho não pode parar e negociamos que é melhor levar na casa dela, no Flamengo.

3o - mas antes disso tenho que ir no fornecedor que está fazendo o display da Kenner. o dia está bom, uma vaga fácil-fácil bem na porta da empresa, que se localiza numa outra ruela de são cristóvão. infelizmente não tive como aprovar o trabalho, há mil dúvidas e questionamentos. pego tudo, coloco embaixo do braço e vamos pra zona sul.

4o - pela dificuldade e urgência defino que é melhor ir no cliente do display, vou pra botafogo e: bingo, o dia é meu, mais uma vaga fácil-fácil na porta de outro destino. pego tudo e subo correndo, me anuncio e fico alguns minutos esperando pra ser atendida. quando olham o trabalho, todos ficam assustados, não era o esperado. conversa daqui, ajusta dali, prevê alternativas acolá e vamos em frente, tudo anotado, hora de seguir caminho.


13 horas e, infelizmente não vou poder parar pra almoçar, tenho que ir na querida do Coppe.

5o - rumo ao flamengo, chego em poucos minutos o transito está ótimo, porém vaga são outros quinhentos. depois de rodar 3 vezes pelas ruas ao redor do endereço, consigo uma vaga, mais uma fácil-fácil. é, o dia tá bom pra arrumar vagas fáceis e baratinhas.

6o - me anuncio e o porteiro libera minha entrada. chego no apartamento dela e que delicia alguns momentos de paz e conforto. um suquinho de uva bem geladinho, um café com biscoitinhos, um excelente papo, propostas de passeios e trabalhos. tudo lindo, mas tenho que voltar, o dia está longe de terminar.

7o - saio dali e tenho que passar em casa, pq alguns portadores deixaram encomendas pra mim e preciso delas pra dar sequência no dia. a sorte é que moro perto, em laranjeiras e rapidinho resolvo esta etapa.

8o - são cristóvão vamos nós. volto pro fornecedor do display, a h2a. conversamos sobre todas as alterações, prazos e revisões. tudo certo poss partir.

 9o - logo na saída um outro cliente me liga, precisa de um relatório anual pra entrega na semana que vem. detalhe, não está pronto nem tem orçamento. bom, temos que começar do principio, ou seja, orçar!!! vou correndo pra gráfica colorset, monto meu posto de trabalho e aguardo o e-mail com detalhes do projeto para poder orçar, definir tempo de produção e tudo mais.

10o - uma vez na colorset, aproveito para ver o prazo de entrega e acabamento da revista da Coppe. vejo alguns outros orçamentos pendentes, ligo pra outros clientes até que o e-mail esperado chega e me ponho a negociar internamente. tudo liberado, desmonto o acampamento e volto pra zona sul.

11o - na saída da gráfica uma amiga me liga, dizendo que foi internada às pressas com crise de cálculo renal, será operada ainda hoje, preciso avisar aos pais dela em minas, comprar créditos para o celular dela e ficar de olho se ela vai precisar de alguém pra ficar com o filho - o caio, caiote! - ou se ela vai precisar de mais alguma coisa. por enquanto a única coisa que posso fazer é ligar pra minas e torcer pra ficar tudo bem com ela.

12o - volto pra rotina de trabalho, vou pro jardim botanico, entregar provas e coletar outras. passo na 6D, faço as devidas coletas e entregas, falo sobre prazo de entrega de trabalhos em andamento do lançamento da nova temporada do sassaricando. fizemos a impressão dos folder e do flyer em tempo record e com virada de ano no meio do prazo. tudo pronto aguardando a entrega que será feita amanhã 10 horas no teatro. pego as provas da papelaria do outro cliente e parto.

13o - sigo para o próximo destino, ainda no jardim botânico, cliente kaus e oslo. se depender da minha facilidade em encontrar vagas em frente aos meus destinos, a reunião será ótima. fui negociar a refação dos cartões de visita, que ficaram ruins. o cliente não queria contratar uma gráfica de qualidade, partimos pra mais barata, mas trabalhar com os baratinhos dá nisso, o cartão leva 2 meses pra sair e quando saí fica uma bela M.... enfim, tudo resolvido e lindo, posso trocar a gráfica.

14o - o final do dia já está chegando, o tempo escurece, ameaça de chuva forte. 19 horas! saio do jardim botânico e vou em direção à cobal do humaitá, ai que fome!!! é, mas combinei com o cliente que ia pegar ele na empresa, dar carona até em casa e entregar os cartões de visita de um cliente dele. é, só não contava que o cliente ia demorar pra sair da empresa... fome apertando, tempo ficando mais feio, vento pra cá, vento pra lá... e a chuva foi embora na confusão de ventos.

15o - cliente chegou, partimos! rumo à laranjeiras, mas ai já era. 19:45h, fome negra, uma secura louca... olho pro cliente e digo. amado amigo, vou te levar pra tomar um chopp e comer alguma coisa, não guento mais.

16o - laranjeiras, já perto de casa, paro o carro na praça são salvador e me emburaco dentro do bar brasil, desce 3 chopps e 3 pasteis, só pra mim. como e bebo como se o mundo fosse acabar em minutos. o mundo sei que não vai acabar, mas que eu mato a fome e a sede, ahhhh isso eu mato. nossa, um dia corrido como o de hoje dá muita fome.


17o hummm, relaxada, conversamos, nos despedimos e agora estou em casa, teclando essas rápidas palavras. com o suor escorrendo por todos os poros, corro pra terminar e tomar um banho mais que merecido. depois??? cama, não quero saber de mais nada, nem ninguém.

ahh, a amiga no hospital?
bom, não consegui falar com ela, está sendo operada agora, falei com o namorado que está lá tomando conta das coisas e aguardando a chegada dela.
o caio-caiote!??
na casa da tia sonia, junto com outras crianças. se divertindo!

de resto? ah, o resto eu vejo amanhã, não aguento mais nada.
beijos e boa noite!
tenham bons sonhos!!!

profundo pesar, noite tumultuada.
pensamentos atordoados, sonhos irreais, medo, tudo assusta.
criaturas que saem de lugares indevidos.
pessoas que não existem, a certeza de que tudo aquilo não é bom.
mente turbulenta, como o vento que açoita a cidade.
pesa, o pé finca na terra, a incerteza do próximo passo é completa.
não há como negar, tudo parece incompleto, alguma peça se perdeu no caminho.
o ventou levou e não há rastro da trilha a seguir.
incertezas que se levantam e tomam porte de gigantes.
não tenhas medo, há uma luz, uma porta, há esperança.
o fim está longe, muito longe, você não chegou nem na metade do caminho.
mais um passo, mais um ano.
acorda e vive, segue o teu caminho.
não carrega o fardo que não é teu.
o dia tem 24 horas, como pode não conseguir dar conta dos teus compromissos?
cuida do que é teu, pois ninguém vai cuidar por você.
planeja as tuas conquistas, pois ninguém vai conquistar por você.
e se conquistar? não é pra você.
aprende a olhar o tamanho do seu buraco interno, não espera que o outro perceba que o seu buraco aumenta e você sofre.
de uma vez por todas, vive a tua vida, não prorrogue nem mais um segundo.
vá enfrente e viva.
ser você, sem medo de incomodar, de magoar.
ser você, sem se machucar.
simplesmente ser o que você é, de verdade.
mas o tempo passou, e você viveu sempre a vida de outros.
 agora, depois de anos, nem sabem quem é você.
foi tudo uma grande ilusão, queria ser autêntica mas acabou sendo só mais uma no meio da multidão.
queria pensar e fazer, sempre melhor, e agora percebe que não sabe fazer nada.
há alguns poucos posts atrás eu estava falando sobre a certeza da escolha do marido, é, mas hoje tenho que falar o que todos já sabem... não existe par perfeito!!! se deixarem marido na minha frente eu atropelo  1.989.876 vezes, depois disso ainda mando ele de volta pra casa da mãe, sem direito a reclamações e devoluções. socorro, homem também fica de tpm, e é pior que a nossa!!!!

domingo, 3 de janeiro de 2010

empreender!
quem de vocês já se viu na situação de abrir um negócio?
se você passou por isso vai entender bem o que estou vivendo. como é difícil, é um momento tenso e solitário. não há dinheiro sobrando, todos os passos devem ser dados com cautela e normalmente não temos com quem dividir as dúvidas e questionamentos que surgem.
é quando você realmente descobre quem são seus parceiros, clientes e amigos.
e, o pior, é quando queremos mais do que nunca que tudo aconteça rapidamente.
eu, uma ariana, nata, fico em situação pior, quero que 5 anos aconteçam em apenas um ano.
mas não adianta, temos que dar tempo ao tempo, nada vai acontecer antes do tempo devido e se acontecer a tendência é que o resultado final seja negativo.

bom, com tudo isso me sinto muitas vezes triste, isolada e por isso sumi do  blog (Lilly, você tinha me perguntado pq sumi, o que  tinha acontecido.. pois bem, aqui está sua resposta). 2009 foi o primeiro ano da Mandarina, um ano positivo pois consegui me sustentar a trancos e barrancos, mas consegui me manter em pé. por diversas vezes desejei e convidei pessoas para serem sócios na Mandarina, ainda bem que ninguém aceitou. estouu lendo "O Livro Negro do Empreendedor" e vi que teria feito a maior burrice, o maior erro da empresa.
quis contratar um funcionário para me ajudar, procurei uma sala comercial para alugar, isso tudo e muito mais eu tentei fazer em 2009. ainda bem que não consegui fazer nada disso.
agora, depois de ler este livro percebo como é importante cada etapa deste processo inicial e vejo como tenho que viver calmamente cada uma delas. se tenho muito o que fazer, devo me desdobrar para fazer tudo e não sair contratando pessoas, sem ter a certeza que é devido.
enfim, tenho algumas certezas:
- 2009 não foi um fracasso, foi um ano de aprendizado, por mais que tenha imaginado parte do que ia viver, muitas coisas foram diferente. foi também um ano onde percebi minhas falhas para em 2010, corrigi-las e continuar aprendendo e crescendo.
- 2010, será um ano de ajustes e da maturidade do meu posicionamento como empreendedora. um ano de muito trabalho, muita organização e planejamento. os focos deste ano são aprendizado e planejamento.
- 2011, colheita de frutos iniciais. crescimento, contratação, mudança para um espaço próprio da empresa.
- 2012, concretização da empresa, ajustes de rumo e cartada final para em,
- 2013, garantir a empresa no mercado. dizem que nos 5 primeiros anos 95% das empresas fecham, eu vou passar por estes anos iniciais e vou superar todos os desafios.
bom, assim espero que seja, de hoje em diante vou utilizar o blog também para contar a vocês um pouco do que vai acontecer com a Mandarina, mostrar trabalhos executados e, claro, vou contar muito com o apoio e dicas de todos vocês.
beijos, beijos e beijos.
"É fundamental saber que ninguém nunca faz as coiss como nós faríamos.(...)
Sem comunicação diária e sincera, não há associação que dure mais de cinco anos."

Fernando Trías de Bes em O Livro Negro do Empreendedor - Editora Best Seller
"de repente, como se um destino médico me houvesse operado de uma cegueira antiga com grandes resultados súbitos, ergo a cabeça, da minha vida anónima, para o conhecimento claro de como existo. e vejo que tudo quanto tenho feito, tudo quanto tenho pensado, tudo quanto tenho sido, é uma espécie de engano e de loucura. maravilho-me do que consegui não ver. estanho quanto fui e que vejo que afinal não sou."
Fernando Pessoa em Livro do Desassossego - Editora Companhia das Letras.
estava pensando:

aliás, pensar é o que mais faço, minha mente é uma máquina que funciona sem parar. nem quando descanso ela para de trabalhar, frequentemente tenho sonhos alucinados.
minha cabeça não para um segundo, vive a martelar numa hora um assunto inacabado, em outra um plano não concretizado e continua, pior, fica insistindo com sonhar o que provavelmente não vai se realizar. parece loucura, mas assim é que giram os meus pensamentos. minha capacidade de concentração se esvai pelas frestas de cada troca de pensamento.

mas agora, numa madrugada de sábado em que o sono não vem, e o marido dorme solitário e barulhento no quarto ao lado, eu fico; entre um pensamento e outro, entre os infinitos desejos que insistem em visitar meus pensamentos, eu fico viajando em novos pensamentos e imaginando o que seria de mim se eu tivesse insistido com arquitetura?

pra início de conversa não teria feito moda e nem teria conhecido as pessoas que passaram pela minha vida durante estes 15 anos.

se não tivesse feito moda, não trabalharia com produção, não entenderia de papeis e processos de impressão. mas certamente teria feito muitos desenhos técnicos, plantas e visitado diversas obras. ou será que teria sofrido com o mercado e ficado anos sem emprego?

quem vai saber o que teria sido da minha vida se, no momento de escolha, eu tivesse optado por continuar naquele caminho e não criar um novo caminho? ninguém poderá me dar esta resposta. terei que morrer com a dúvida, mas tenho a chance de acreditar que este é o melhor caminho para cumprir minha missão nesta vida. tenho que acreditar que se fosse por outro caminho tudo seria diferente, sim. mas não há garantias de que poderia ter sido melhor, mais fácil. só há certezas de que neste eu aprendi a manusear as armas necessárias para seguir em frente.

a maior certeza que me veio agora é, que se tivesse escolhido o outro caminho, provavelmente não teria encontrado o homem que habita parte dos meus pensamentos, que me dá carinho e sustento quando não tenho forças para seguir alguns outros passos da longa caminhada que é a vida.

sem ele? hummm, a vida seria muito difícil.
não teriam as tardes de domingo que nos isolamos do mundo e ficamos em casa rindo de besteiras; não existiriam as brigas pelo "melhor" lado da cama; não teria que fazer curativos nas eternas cicatrizes de um homem que sempre se machuca; não seria acordada com beijos e café da manhã e, nem os sufocos, nem as alegrias desta vida existiriam.

é, prefiro esta vida, tal como eu segui. não sei se acertei as outras escolhas, principalmente no caminho profissional que hoje me atordoa tanto, só sei que no amor certamente eu fiz a melhor escolha!
"a única maneira de teres sensações novas é construíres-te uma alma nova. baldado esforço o teu se queres sentir outras coisas sem sentires de oura maneira, e sentires de outra maneira sem mudares de alma. porque as coisas são como nós as sentimos - há quanto tempo sabes tu isto sem o saberes? - e o único modo de haver coisas novas, de sentir coisas novas é haver novidade no senti-las.
muda de alma. como? descobre-tu.
desde que nasceos até que morremos mudamos de alma lentamente, como de corpo. arranja meio de tornar rápida essa mudança, como com certas doenças, ou certas convalescenças, rapidamente o corpo se nos muda."

Fernando Pessoa em Livro do Desassossego - Editora Companhia das Letras

sábado, 2 de janeiro de 2010

um pouco da cultura atual de Portugal, seguem 2 vídeos de um grupo de musica tradicional, pop, brasileiro... vejam que engraçadinho.


no ano de 2009 entrei para a confraria dos 50, um clube com o objetivo de ler, durante o ano, 50 livros. não cheguei nem na metade da proposta, li 20 livros, mas foi interessante, pois agora além de contar os livros lidos durante o ano, anoto e faço breves comentários.
foi um ano de boas leituras, Isabel Allende, como sempre maravilhosa!!! e uma grata surpresa, um dos últimos livros lidos no ano a sociedade literária e a torta de casa de batata. fabuloso!!!!!! leitura mais que recomendada, não consegui me desgrudar do livro enquanto não terminei, e ao fim, o gostinho de por favor continua. em formato de carta o livro conta uma história deliciosa de como a literatura foi importante para um grupo de pessoas durante um período de guerra.
um livro lindo!

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

" - Vou lhe dizer por quê. Porque, como dizem meus filhos, represento muito bem meu papel de mulher. Cosmo sempre me chamou de feminista feroz e talvez ele tenha razão. Certamente sempre o fui. Tudo que sei é que a pessoa mais importante no mundo somos nós mesmos. Você é a pessoa com quem tem que conviver. Você é sua própria companhia, seu próprio orgulho. Autoconfiança nada tem a ver com egoísmo... É apenas um poço que não seca até o dia em que morremos e não precisamos mais dele.
Ellen, estranhamente tocada, não conseguiu pensar em nada para dizer em resposta. Ruth virou-se e olhou para a lareira. Ellen notou as linhas em torno de seus olhos, as curvas generosas de sua boca, os cabelos grisalhos e sedosos. Não era jovem, mas ainda era bonita; experiente, ferida talvez - provavelmente exausta vez por outra - mas jamais derrotada. Na meia-idade, ela dera início a uma nova vida, animada e solitária. Certamente, com o apoio de James, não seria muito difícil seguir seu exemplo."
O Quarto Azul - conto "O presente de Natal antecipado" de Rosamunde Pilcher - Editora Bertrand Brasil
"De mil experiência que fazemos, no máximo conseguimos traduzir uma em palavras, e mesmo assim de forma fortuita e sem o merecido cuidado. Entre todas as experiências mudas, permanecem ocultas aquelas que, imperceptivelmente, dão às nossas vidas a sua forma, o seu colorido e a sua melodia. Quando depois, tal qual arqueólogos da alma nós nos voltamos para esses tesouros, descobrimos quão desconcertantes eles são. O objeto da observação se recusa a ficar imóvel, as palavras deslizam para fora da vivência e o que resta no papel no final não passa de um monte de contradições. Durante muito tempo acreditei que isso era um defeito, algo que deve ser vencido. Hoje penso que é diferente, e que o reconhecimento de tamanho desconcerto é a via régia para compreender essas experiências ao mesmo tempo conhecidas e enigmáticas. Tudo isso parece estranho, eu sei, até mesmo extravagente. Mas desde que passei a ver as coisas assim, tenho a sensação de, pela primeira vez, estar atento e lúcido."
Trem noturno para Lisboa - Pascal Mercier - Editora Record